O café mais caro do mundo é vendido na Indonésia e é feito a partir de grãos de café que foram parcialmente mastigados, digeridos e excretados por um animal conhecido como: Kopi Luwak. Trata-se de um tipo de gato herbívoro que habita nas florestas da região asiática e se alimenta dos frutos do café. Muitas pesquisas comprovaram que o café passa por mudanças significativas enquanto ficam no sistema digestivo do animal. Depois que ele defeca os grãos, este material é tratado, higienizado, torrado e vendido a preço de ouro em diversos sites especializados. O valor pode chegar a US$ 600 por meio kilo, tornando-o o mais caro do mundo.
No Brasil não é diferente. Também produzimos um café tão exótico quanto o Kopi Luwak aqui mesmo no Brasil. O processo é parecido, mas o animal é diferente: o pássaro Jacú. O tão perseguido vilão das lavouras de café agora é o herói. Ele é responsável em produzir bebidas únicas quanto à qualidade e sabor e, consequentemente, valoriza da saca. O preço deste tipo de grão é tão caro quanto o grão do Kopi Luwak.
A descoberta aconteceu quase sem querer em uma fazenda do Espírito Santo. Enquanto o dono da fazenda lutava contra a praga, os pássaros que comiam sua produção, ele ouviu falar sobre o café exótico da Indonésia e resolveu fazer testes, e não é que deu certo?! Um café de alta qualidade feito aqui, bem pertinho do estado de São Paulo. Agora, os métodos de produção foram revistos. A colheita é um pouco diferente. Somente os grãos secos e as cerejas são colhidos e depostados junto ao pé de café. Isso facilitará a alimentação do pássaro que faz “seu lanchinho” durante a noite. O próximo passo é colher as fezes do animal pela a manhã e encaminhar para o beneficiamento e higienização dos grãos.